sexta-feira, 30 de setembro de 2016

O futuro da nação está em suas mãos. E votar consciente é para o bem da gente!

ELEIÇÃO PARA VEREADORES TERÁ NOVAS REGRAS!

Candidaturas individuais terão que atingir patamar mínimo de votação

Nas disputas para os legislativos municipais de 2016, novas regras passam a ser aplicadas. A forma como a distribuição de vagas se dará tem um complemento: candidatos e candidatas serão eleitos apenas se atingirem 10% do quociente eleitoral. A modificação foi introduzida em uma alteração da legislação promovida pelo então presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) em 2015.
A mudança tem impacto especial sobre o voto em legenda – quando o eleitorado não escolhe uma candidatura individual para Câmara Municipal e vota diretamente em um partido.

As vagas são determinadas dividindo-se a quantidade de votos que a coligação recebeu pelo quociente eleitoral, este último, definido pela divisão do total de votos válidos na eleição, pela quantidade de cadeiras na Câmara. Se uma coligação recebe, por exemplo, uma quantidade de votos equivalente ao dobro do quociente, teria direito as duas vagas. Neste exemplo, no modelo válido até as eleições passadas, seriam eleitos os dois candidatos mais bem votados da coligação. Assim, os votos em legenda são contabilizados junto aos nominais no cálculo de votos totais na coligação.
Essas regras continuam valendo, mas com um filtro. No exemplo, os dois candidatos mais bem votados só seriam eleitos se tivessem atingido cada um, ao menos, um número de votos equivalente a 10% do quociente. Se não alcançarem esse patamar, ainda que o partido ou coligação tenham atingido o quociente eleitoral, estes podem acabar sem eleger ninguém.
Razões
Uma das justificativas para a alteração é garantir uma maior representatividade aos candidatos eleitos. A mudança, entretanto, levou agremiações com índices altos de votação em legenda a iniciarem uma campanha informativa pedindo aos seus eleitores a escolherem a votarem nominalmente.
O Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) é um dos grupos que mais tem alertado o eleitorado a respeito da questão. Se a nova regra estivesse valendo nas eleições municipais passadas, a agremiação, mesmo tendo atingido o quociente eleitoral, não teria elegido, por exemplo, um vereador para a Câmara Municipal da capital paulista.
Para Marcos Verlaine, assessor do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar, a inclusão desse limite está na contra-mão das necessidades políticas do país. “O argumento para essa mudança foi evitar a ocupação de cadeira por candidato não representativo. Esse argumento é falso”, critica.
A lógica da proporcionalidade, neste tipo de eleição, deveria fortalecer justamente o aspecto partidário. “É uma mudança que não contribui para o aprofundamento do debate político. O voto no candidato personaliza o processo eleitoral. O processo eleitoral precisa ser despersonalizado com partidos. A democracia é construída com partidos, não com candidatos", diz Verlaine. 
Fonte: Brasil de Fato

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

29 de setembro - DIA MUNDIAL DO CORAÇÃO

Em apenas um minuto, o coração bate, em média, 72 vezes e lança 5 litros de sangue para o corpo. Em um dia, são 9,6 mil litros. Mesmo sabendo que o cérebro controla tudo que acontece com os outros órgãos, ainda se tem muito cuidado com o “amigo do peito”, afinal ele ainda é um órgão vital. 
Apesar de do tamanho – aproximadamente o de um punho fechado e com cerca de 340 gramas – o coração é um órgão muito forte. Diariamente, ele gera energia suficiente para abastecer um caminhão por 30 quilômetros. 

No esforço para manter o coração sadio, a alimentação e os bons hábitos são fundamentais aliados. Confira algumas dicas para manter seu coração em forma:

  • Pílula de tomate
Pesquisadores descobriram um novo benefício do tomate. O fruto está sendo usado como matéria-prima para a fabricação de um suplemento alimentar chamado Ateronon, que ajuda a prevenir doenças cardiovasculares. As pílulas, vendidas na Inglaterra, são feitas a base de licopeno, substância responsável pela cor avermelhada do tomate e de propriedades antioxidantes, ou seja, capazes de retardar o envelhecimento celular. Segundo os pesquisadores, o Ateronon pode melhorar a função das células do endotélio (camada interna dos vasos sanguíneos) em até 50%, aumentando a flexibilidade dos vasos.

  • Morango e mirtilo
Um estudo publicado no periódico \"Circulation\" mostrou que comer morangos e mirtilos pelo menos três vezes por semana pode reduzir o risco de ataque cardíaco em mulheres. O benefício se deve às suas quantidades elevadas de flavonoides — compostos com propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias. Morangos e mirtilos têm autocianina, um tipo de flavonoide que ajuda a dilatar as artérias e evitar a formação de placas que atrapalham o fluxo sanguíneo.

  • Menos carne, mais legumes
Reduzir o consumo de carne vermelha pode fortalecer o coração. Um estudo divulgado no periódico \"The American Journal of Clinical Nutrition\" mostrou que vegetarianos apresentam um risco menor de sofrer doenças cardiovasculares ou morrer em decorrência de um evento cardiovascular. Outro trabalho, publicado na revista \"Nature Medicine\", apontou que, além de aumentar a gordura e o colesterol ruim, o consumo excessivo de carne vermelha produz uma substância que eleva as chances de aterosclerose, obstrução dos vasos sanguíneos que leva ao infarto.

  • Casamento saudável

O casamento pode ser um dos segredos para um coração saudável. Segundo uma pesquisa publicada na revista \"European Journal of Preventive Cardiology\", pessoas casadas apresentam menores chances de sofrer um ataque cardíaco e, se vierem a sofrê-lo, têm maior probabilidade de recuperação do que as solteiras. De acordo com os pesquisadores, as possíveis explicações para isso são o fato de que os casados costumam manter hábitos mais saudáveis e possuir uma rede de apoio mais ampla — o que facilita, por exemplo, a ajuda no caso de um problema cardíaco. Além disso, os fatores psicológicos da satisfação conjugal interferem positivamente na saúde do coração.

  • Dieta do Mediterrâneo: fácil e eficaz

Frutas, legumes, peixes, grãos integrais e quantidade moderada de álcool. Essas são as premissas da Dieta do Mediterrâneo. Menos restritiva que outros regimes, ela é considerada a mais fácil de ser seguida a longo prazo. Neste ano, duas pesquisas demonstraram seus benefícios à saúde cardíaca. Uma delas, publicada no periódico \"The New England of Medicine\", concluiu que a dieta do Mediterrâneo reduz a chance de problemas cardiovasculares entre pessoas com mais de 55 anos que apresentam alto risco cardíaco. O outro artigo, escrito por pesquisadores canadenses, mostrou que a dieta colabora na redução do colesterol ruim, o LDL, em homens com risco elevado de doenças cardíacas.

  • Mesmo com ganho de peso, parar de fumar vale a pena

Parar de fumar, de fato, favorece o ganho de peso. Mas os benefícios ao coração superam qualquer risco associado aos quilos extras. Um estudo publicado no periódico \"The Journal of the American Medical Association\" mostrou que o aumento de peso variou de meio a 4,5 quilos entre os indivíduos que largaram o cigarro. Ainda assim, seis anos após terem abandonado o tabagismo, todos os voluntários da pesquisa apresentaram uma redução de 50% no risco de sofrer algum evento cardiovascular.

  • Menos sódio, mais potássio

Além de reforçar a ideia de que reduzir o consumo de sódio evita problemas cardíacos, uma série de estudos publicados no site da revista \"British Medical Journal\" revelou que ingerir maiores quantidades de potássio propicia o mesmo benefício. Uma alta ingestão do nutriente — encontrado principalmente em frutas, legumes e verduras frescas — pode diminuir em até 24% o risco de um acidente vascular cerebral (AVC). Já o consumo de sal, sugere a pesquisa, deve ser de no máximo 3 gramas por dia, menos do que os 5 gramas recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

  • Café da manhã

Homens que não tomam café da manhã têm 27% mais riscos de infartar ou sofrer de alguma doença coronariana. O dado, divulgado no periódico \"Circulation\", reforçou a importância da refeição, que deve fornecer energia suficiente para o corpo começar o dia. Segundo os cientistas, o hábito de pular o desjejum pode causar obesidade, pressão alta e diabetes — fatores de risco para doenças cardíacas.

Fonte: Revista Veja

Correios entregam urnas para as eleições municipais 2016

Mais de 144 milhões de brasileiros irão às urnas no próximo domingo (2) para escolha de prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. Mas, antes das eleições municipais começarem, os Correios entregam, esta semana, mais de 150 mil urnas em quatro diferentes regiões do País.
Os Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) de nove Estados contarão com a logística integrada da empresa, que realiza esse serviço desde 1988. Só a Bahia vai receber quase 40 mil urnas nos próximos dias.
Os outros Estados onde a empresa participará da distribuição e coleta das urnas são: São Paulo, Rio de Janeiro, Alagoas, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Pernambuco, Paraná e Rio Grande do Norte.
Além da armazenagem, transporte e entrega de urnas eletrônicas – operações customizadas de acordo com as necessidades de cada TRE – os Correios transportam ainda o material de apoio do processo eleitoral, como mesas e equipamentos, e realizam a coleta dos objetos ao final da votação, com a entrega das mídias com o mapa da urna aos Tribunais Regionais Eleitorais.
Outras soluções oferecidas aos TREs são os serviços de mensagem para convocação de mesários e o Vale Postal Eletrônico para pagamento dessas pessoas que vão trabalhar durante as eleições.
Fonte: Blog da Gláucia Lima

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

ARTIGO: Dez possíveis lições após o impeachment

Por Leonardo Boff*

Seguramente é cedo ainda para tirar lições do questionável impeachment que inaugurou uma nova tipologia de golpe de classe via parlamento. Estas primeiras lições poderão servir aos que amam a democracia e respeitam a soberania popular, expressa por eleições livres e não em ultimo lugar ao PT e aliados. Os que detêm o ter, o poder e o saber que se ocultam atrás dos golpistas se caracterizam por não mostrar apreço à democracia e por  se lixar pela situação de gritante desigualdade do povo.
Primeira lição: é alimentar resiliência, vale dizer, resistir, aprender dos erros e derrotas e dar a volta por cima. Isso implica severa autocrítica, nunca feita com rigor pelo PT. Precisa-se ter claro sobre qual  projeto de país se quer implementar.
Segunda lição: reafirmar a democracia, aquela que  ganha as ruas e praças, contrariamente da democracia de baixa intensidade, cujos representantes, com exceções, são comprados pelos poderosos para defender seus interesses corporativos.
Terceira lição: convencer-se de que um presidencialismo de coalizão é um logro, pois desfigura o projeto e induz à corrupção. A alternativa é uma coalização dos governantes com os movimentos sociais e setores dos partidos populares e a partir deles pressionar os parlamentares.
Quarta lição: convencer-se de que o capitalismo neoliberal, na atual fase de altíssima concentração de riqueza, está dilacerando as sociedades centrais e destruindo as nossas. O neoliberalismo atenuado, praticado nos últimos 13 anos pelo PT e aliados permitiu fazer a maior transformação social na história do Brasil com a melhoria de vida de quase 40 milhões de pessoas, com o aumento dos salários, com facilidade de crédito, com  desonerações fiscais, mas mostrou-se, no fundo,  insuficiente. Grande erro do PT foi: nunca ter explicado que aquelas ações sociais eram fruto de uma política de Estado. Por isso criou antes consumidores que cidadãos conscientes. Permitiu adquirirem bens pessoais (a linha branca) mas melhorou pouco o capital social: educação, saúde, transporte e segurança. Bem disse frei Betto: gerou-se “um paternalismo populista que teve início quando se trocou o Fome Zero, um programa emancipatório, pelo Bolsa Família compensatório; passou-se a dar o peixe sem ensinar a pescar”. No atual governo pós golpe, a radicalizada política econômica neoliberal de ajustes severos, recessiva e lesiva aos direitos sociais seguramente vai devolver à fome e à miséria os que dela foram tirados.
Quinta lição: é urgente dar centralidade à educação e à saúde. O governo Lula-Dilma avançou na criação de universidades e escolas técnicas. Mas cuidou pouco da qualidade seja da educação seja da saúde. Um povo doente e ignorante nunca dará um salto rumo a uma properidade sustentável. Tanto o filho/a de rico quanto de pobre tem direito de frequenter a mesma escola de qualidade.
Sexta lição: colocar-se corajosamente ao lado das vítimas da voracidade neoliberal, denunciando sua perversidade, desmontando sua lógica excludente, indo para as ruas, apoiando demonstrações e greves dos movimentos sociais e de outros segmentos.
Sétima lição: colocar sob suspeita tudo o que vem de cima, geralmente fruto de políticas de conciliação de classes, feitas de costas e à custa do povo. Estas políticas vem sob o signo do mais do mesmo. Preferem manter o povo na ignorância para facilitar a dominação  e combatem qualquer espírito critico.
Oitava lição: é urgente a projeção de uma utopia de um outro Brasil, sobre outras bases, a principal delas, a originalidade e a força de nossa cultura, dando centralidade à vida da natureza, à vida humana e à vida da Mãe Terra, base de uma biocivilização. O desenvolvimento/crescimento é necessário para atender, não os desejos, mas as necessidades humanas; deve estar a serviço, não do mercado, mas da vida e da salvaguarda de nossa riqueza ecológica. Concomitante a isso urge reformas básicas, da política, da tributação, da burocracia, da reforma do campo e da cidade etc.
Nona lição: para implementar essa utopia faz-se indispensável uma coligação de forças políticas e sociais (movimentos populares, segmentos de partidos, empresários nacionalistas, intelectuais, artistas e igrejas) interessadas em  inaugurar o novo viável, que dê corpo à utopia de outro tipo de Brasil.
Décima lição: esse novo viável tem um nome: a radicalização da democracia que é o socialismo de cunho ecológico, portanto, ecosocialismo. Não aquele totalitário da Rússia e o desfigurado da China que, na verdade, negam a natureza do projeto socialista. Mas o ecosocialismo que visa realizar potencialmente o nobre sonho de cada um dar o que pode e de receber o que precisa, inserindo a todos,  a natureza incluída.
Esse projeto deve ser implementado já agora. Como expressou a ancestral sabedoria chinesa, repetida por Mao: “se quiser dar mil passos, comece já agora pelo primeiro”. Sem o que jamais se fará uma caminhada rumo ao destino desejado. A atual crise nos oferece esta especial oportunidade que não deverá ser desperdiçada. Ela é dada poucas vezes na história e agora é uma delas.
*Leonardo Boff é teólogo, filósofo, escritor e articulista do JB on line.

Movimentos populares denunciam paralisações no Minha Casa, Minha Vida

Entidades afirmam que uma instrução normativa do Ministério das Cidades ameaça a continuidade do programa
Movimentos de moradia criticam o governo não eleito de Michel Temer (PMDB) pela paralisação de novas contratações do Minha Casa, Minha Vida. Além disso, afirmam que a Instrução Normativa (IN) nº 34, emitida pelo Ministério das Cidades na segunda-feira (26), inviabiliza a continuidade do programa.
A instrução indica que a Caixa Econômica Federal não está autorizada a utilizar recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) no programa, exceto se os repasses orçamentários da União para o Minha Casa, Minha Vida forem realizados.
Em nota pública, a União Nacional por Moradia Popular (UNMP), entidade que reúne diversas organizações estaduais e municipais, afirma “repudiar a Instrução Normativa nº 24 do Ministério das Cidades, que suspende as contratações do Programa Minha Casa Minha Vida com recursos do FGTS, do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR) e do Fundo de Desenvolvimento Social (FDS), implodindo de vez a continuidade do programa em todas as faixas de renda”.
“Na prática, para as faixas mais baixas de renda, o programa já se encontrava paralisado desde maio passado. A IN, no entanto, formaliza a descontinuidade do programa, prejudicando milhares de famílias sem moradia, inviabilizando empreendimentos e gerando mais desemprego. Além disso, estende a paralisação à faixa 2 do programa, retirando os subsídios necessários”, complementa a documento.

Resposta

O Ministério das Cidades, por outro lado, informou, por nota, que “o ritmo de contratação do Programa Minha Casa Minha Vida” está inalterado e que “todas as linhas de contratações, incluindo o FGTS, permanecem inalteradas”. A pasta diz ainda que a instrução normativa “refere-se apenas à orientação dada à Caixa Econômica Federal para que, em não havendo repasse da União para contratação de novos empreendimentos do Programa Minha Casa Minha Vida, fica vedada a utilização de recursos do FGTS para suprir a cota de responsabilidade da mesma”.

Razões

Para a professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da Universidade de São Paulo (USP) Luciana Royer, apesar de a nota do Ministério não ser mentirosa, aponta para um situação de enfraquecimento do programa. Segundo ela, a instrução normativa fornece argumentos para a ausência de novas contratações que vinham ocorrendo no interior do programa, principalmente na modalidade “entidades” - na qual organizações da sociedade civil, como associações de moradores, gerem a própria construção das unidades.
“A interpretação [da instrução] pode gerar controvérsia e fortalecer argumentos políticos por parte do governo de que não é possível continuar com o 'Minha Casa, Minha Vida - Entidades' agora, porque o Ministério das Cidades tem que proceder a regularização fiscal do FGTS, com argumentos que tenham alguma tecnicalidade de contabilidade pública”, diz.
“Já existia essa não contratação, foi uma das primeiras medidas do governo interino, mas teve uma repercussão muito ruim. Em termos objetivos, no cotidiano, o que já está em andamento continua. O que não está sendo contratado não será contratado. A Instrução Normativa dá um respaldo 'técnico' para essa não contratação”, complementa Royer.
A ausência de novas contratações, para a pesquisadora, está relacionada à política econômica que Temer vem implementando. “Para a construção política de legitimidade do ajuste fiscal, ela [instrução] ajuda. Eles estão percebendo que o ajuste fiscal, na proporção do que eles querem fazer, não vai permitir grandes utilizações de recursos orçamentários. Melhor dizendo, não vai ter recursos orçamentários para contratação de habitação”, afirma a professora.
Em período de corte de gastos, Royer prevê uma nova destinação para os recursos do FGTS. “O que o governo Temer está tentando fazer, pelo que a gente sabe, é usar o FGTS para faixa de renda mais alta”, aponta. “Por conta da nova lógica de aplicações dos recursos do FGTS para a habitação, as faixas até a faixa 2 [que atende famílias de renda entre três e cinco salários mínimo] estão em risco", critica.
Fonte: Brasil de Fato

Com Temer a educação é para poucos!


Uma escola para os privilegiados que vão dirigir o Brasil, a sociedade, a economia. Outra para a imensa maioria da população, de quem aqueles privilegiados esperam obediência, trabalho e eficiência. Este é o sentido geral da reforma do ensino médio apresentada pelo ilegítimo Michel Temer e pelo ocupante do ministério da Educação Mendonça Filho, na última quinta-feira (22).

Ela tem o defeito adicional de constar da Medida Provisória 746, e isso foi visto com razão como uma fuga ao debate desta questão central, para enfiar goela abaixo a pretensão de patrocinar uma escola que, longe de produzir cidadãos autônomos que pensem com a própria cabeça, forme uma obediente e acrítica mão de obra dócil, voltada para as habilidades técnicas e longe do uso pleno do múltiplo potencial intelectual de cada um dos seres humanos.

A pretensão do governo foi amplamente criticada pela maioria dos educadores e especialistas, como um projeto para perpetuar e aumentar as graves desigualdades existentes na sociedade brasileira.


Ela parte de lugares comuns absolutamente acríticos. Um deles é a aversão dos jovens a temas tidos como “áridos” na época da internet e dos computadores. Outro mito assegura que há número excessivo de matérias, sendo preciso limitá-las. Outro, que decorre deste, é aquele que pretende atribuir aos estudantes a “escolha” das disciplinas que vão formar o seu currículo.

Neste sentido, torna opcionais, depois de um ano e meio de curso, matérias da área de humanas (como artes, educação física, sociologia e filosofia) e diminui a carga horária de história e geografia, além de excluir o ensino do idioma espanhol.

Isto é, pretende reduzir drasticamente a duração do curso e focar a escolha da maioria dos alunos nas matérias “técnicas”, transformando em profissionalizante o ensino médio.

Michel Temer tenta a maior e mais extensa reforma do ensino médio feita nos últimos 20 anos, e isso a torna ainda mais arbitrária e inepta por ser feita da maneira autoritária e prepotente. Sem nenhum debate com a sociedade, professores, especialistas, alunos, e entidades ligadas ao ensino que atuam na sociedade.

Outra questão, da qual a pretendida reforma passa ao largo mas que é intimamente ligada a ela, é o problema do financiamento da educação. A reforma pretendida pelo governo golpista, que reduz a carga horária, diminui o número de matérias (e, assim, o de professores), torna a educação mais barata para o governo. O ensino “caro” fica para as escolas de elite – a imensa maioria das quais é privada – que são frequentadas pelos filhos dos ricos, aqueles vistos como os que têm tempo para dedicar-se a matérias ligadas às humanidades. O ensino voltado aos pobres tem estas matérias excluídas ou com carga horária menor, sendo assim menos custoso.

É um ensino barateado que cabe no objetivo do governo dos golpistas de cortar as verbas da educação através da aprovação do teto dos gastos constitucionais para investimentos do governo nos próximos 20 anos. 

A reação da sociedade foi rápida, sendo imediatamente constituído, para a resistência, o Movimento Nacional em Defesa do Ensino Médio, que reúne as entidades que atuam na educação, representando professores, alunos e pais. 

Seu objetivo claro é a luta por um ensino médio universal, comum a todos os alunos, não importando a classe social de seus pais, e a exigência de uma educação básica pública e de qualidade para todos.

Do Portal Vermelho

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Eleitores não podem ser presos a partir de hoje

A partir de hoje (27), eleitores não podem ser presos ou detidos, salvo em flagrante ou para cumprimento de sentença criminal. A regra está prevista no Código Eleitoral, que entrou em vigor em 1965 e serve para garantir a liberdade do voto. No próximo domingo (2), mais de 144 milhões de eleitores vão às urnas para eleger vereadores e prefeitos. A regra vale até 48 horas após o encerramento do pleito.
Na prática, mandados de prisão não devem ser cumpridos pela Polícia Federal, principalmente na Operação Lava Jato, até a semana que vem, para evitar nulidades nos processos criminais. A regra foi inserida na legislação eleitoral em 1932, com o objetivo de anular a influência dos coronéis da época, que tentavam intimidar o eleitorado. Atualmente, juristas questionam a impossibilidade das prisões, mas a questão nunca foi questionada no Supremo Tribunal Federal (STF).
A proibição está no Artigo 236, do Código Eleitoral, e o texto diz: “Nenhuma autoridade poderá, desde 5 (cinco) dias antes e até 48 (quarenta e oito) horas depois do encerramento da eleição, prender ou deter qualquer eleitor, salvo em flagrante delito ou em virtude de sentença criminal condenatória por crime inafiançável, ou, ainda, por desrespeito a salvo-conduto.”
Por Gláucia Lima

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

É tempo de refletir!


Estudantes de SP protestam dia 26 contra MP da educação de Temer


O Museu de Arte de São Paulo receberá nesta segunda-feira (26), as 17h, um ato em protesto contra a reforma educacional imposta pelo governo sem votos de Michel Temer. As mudanças arbitrárias apresentadas pelo governo golpista para o Ensino Médio vão ao encontro da política de retirada de direitos em curso nas áreas trabalhistas e nos direitos sociais. Secundaristas de São Paulo vão debater ocupações nas escolas do Estado contra a medida. 
Os segmentos da educação foram surpreendidos nesta quinta-feira (22) com o anúncio da medida provisória que, entre outras coisas, tira a obrigatoriedade para o ensino médio de disciplinas como educação física, filosofia, artes e sociologia. Pressionado por educadores, especialistas e estudantes o governo afirmou que as referidas disciplinas continuam obrigatórias. De acordo com informações do blog Democratize, estudantes do colégio estadual, secundaristas da escola Domingos Mignoni, de Taboão da Serra, realizam na segunda uma assembleia. Na pauta, a ocupação da escola contra a reorganização escolar e a MP de Temer.

No final de 2015, estudantes de São Paulo protagonizaram ocupações contra o projeto do governo tucano de Geraldo Alckmin de fechar escolas. Foram aproximadamente 200 escolas ocupadas no Estado. As ocupações também se estenderam para outros lugares como Rio de Janeiro, Goiás, Rio Grande do Sul e Ceará.


Entre as reivindicações dos estudantes das ocupações estava a participação nos debates que envolvessem as políticas educacionais. De baixo pra cima, Temer reedita com uma canetada só, uma espécie de reorganização escolar nacional em que prevalece o descaso com o diálogo e que, segundo educadores, pode promover a exclusão e a evasão escolar. 

Do Portal Vermelho

Em que idade a mulher está mais suscetível ao câncer de mama?

O câncer representa um grande desafio em termos de saúde pública. Doença multifatorial, sua incidência está relacionada não somente aos fatores de risco, mas à qualidade dos serviços de saúde, às campanhas de prevenção, e, principalmente, ao envelhecimento da população. Dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA) revelam que, no Brasil, este ano deve contabilizar quase 600 mil novos casos da doença. Metade deles, em mulheres. Uma em cada cinco pacientes com câncer terá de lidar com o diagnóstico de câncer de mama – que, depois do câncer de pele não-melanoma, é o mais comum, seguido de cólon e reto, colo do útero, pulmão e estômago.
Depois dos 40 anos de idade, a doença aumenta progressivamente entre as mulheres. Estudos norte-americanos indicam que a incidência mundial do câncer vem aumentando e que 12,4% das mulheres terão câncer de mama em alguma fase da vida. Embora 87,6% não tenham de lidar com a doença, a realização anual da mamografia continua sendo o método mais importante de prevenção em pacientes com mais de 40 anos. Nos Estados Unidos, o câncer de mama atinge uma em cada 28 mulheres depois dos 60 anos, uma em cada 42 mulheres depois dos 50 anos e uma em cada 68 mulheres na faixa dos 40 anos. Antes disso a doença é considerada rara, atingindo uma em cada 227 mulheres.
Fonte: Blog do Robson Pires

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

12 excelentes virtudes que as mulheres adquirem com a idade

As mulheres ficam ainda melhores com a idade. Essa frase foi dita por um amigo, fiquei boquiaberta. Foi a primeira vez que ouvi essa frase na vida real!
Depois de pensar mais nisso, percebi que ele estava certo, tão certo, que agora aos 40 anos, eu vejo muito claramente porque isso acontece. Eu não estou falando sobre os aspectos físicos das mulheres, as revistas e a internet tem muito artigos sobre assunto, quase sempre com imagens de atrizes ilustrando a beleza da mulher em certa idade. Estou falando de beleza interior, de confiança, de capacidade de compreender os outros e ser compreendida. 
Abaixo, 12 excelentes virtudes que as mulheres adquirem com a idade:
1- Aprendemos como nos agradar.
Sabemos o que gostamos e como gostamos. Se eu gosto de margaridas, e ninguém me presenteia, eu as compro. Se quero que algo seja feito de uma certa maneira, eu não peço, eu não espero, eu faço! Se sinto que não devo fazer algo, simplesmente não faço. Aprendi a confiar na minha intuição e voz do coração e não me deixo levar simplesmente pela razão.
2- Descobrimos o nosso estilo.
Eu vivi tempo suficiente para saber o que funciona para mim. Tentei todos os estilos e experimentei o suficiente para saber o que fica melhor bem e o que simplesmente não funciona. Não me deixo levar pelas tendências, mantenho meu estilo próprio. Claro, ainda acontece um erro eventual, mas aprendo com esses erros rapidamente.
3- Sabemos falar e quando falar.
Sabemos falar exatamente o que queremos. Pedimos o que queremos, e se não falamos sobre algo ou alguém, é porque não estamos interessadas no assunto.
Começamos a nos cercar de pessoas que fazem o mesmo, que realmente gostamos e sabem expressar o que sentem e pensam de forma assertiva, sem magoar os outros. Estamos confortáveis em concordar ou discordar sem medo.
4- Não nos importamos em quebrar as regras.
Houve um tempo em que eu nunca usaria prata e ouro juntos, sapatos dourados durante o dia era impensável. Evitava comer doces, preocupada com as calorias, me sentia culpada quando faltava na academia. Agora percebo que estas atitudes não eram saudáveis e que existe uma maneira de quebrar as regras respeitando meus desejos. A culpa, bem, esta deixou de existir, o equilíbrio ocupa mais espaço em minhas decisões.
5- Dominamos a arte de ignorar as pessoas.
Quando jovens nada é mais importante que se sentir amado e aceito. Mas à medida que amadurecemos, percebemos que existem pessoas que merecem o nosso tempo e atenção, e outras não merecem. Aprendi que nem sempre posso evitar as pessoas desagradáveis, pelo menos, sei como proteger a minha alegria, ignorando o comportamento negativo destas pessoas.
 6- Aprendemos a parar de pedir desculpas.
As mulheres se desculpam muito, principalmente por coisas desnecessárias. “Desculpe, minha casa está uma bagunça”, “Desculpe, não tive tempo de preparar o jantar “, “Desculpe, isso, aquilo “. Com o tempo descobrimos que há hora e lugar para desculpas, e não devemos a ninguém um pedido de desculpas o tempo todo.
7- Não levamos as coisas para o lado pessoal.
A medida que amadurecemos, percebemos que levar as coisas para o lado pessoal, é um desperdício. Não significa que não temos sentimentos, apenas percebemos que 99% do tempo essas coisas que nos deixam magoada ou chateada, realmente não tem nada a ver conosco.
8- Paramos de nos comparar aos outros.
Passamos a nos conhecer e deixamos de nos comparar aos padrões irracionais de beleza, carreira, dinheiro, amor, etc. Estamos onde devemos estar, e se as coisas não saíram muito bem, foram conseqüências de nossas atitudes, ou ausência delas. Passar mais tempo fazendo comparações se torna a perda de um bem valiosíssimo: tempo e bem estar.
9- Começamos a rever nossos projetos de vida.
Deixamos de nos preocupar tanto com a casa, os filhos, e a carreira. Nossos interesses e projetos, muitos deles mantidos em nossas lembranças por anos, vão pouco a pouco tomando espaço. Agora com sabedoria e experiência podemos colocar em pratica os desejos que nos trazem realização e alegria.
10- Adquirimos uma perspectiva diferente.
Aprendemos que não temos como administrar todas as coisas ruins e boas que se surgem em nossas vidas. Mas com a idade, sabemos distinguir os fatos, um pneu furado por exemplo é um inconveniente, não uma crise.
11- Somos mais interessantes.
Não perdemos nosso precioso tempo com conversas tolas, falamos pessoas coerentes em suas palavras e atitudes. Estamos interessadas em conversas agradáveis, intensas, verdadeiras e enriquecedoras.
12- Sabemos como incentivar as pessoas.
Depois de algumas décadas, torna-se claro a maneira como o mundo funciona. O que você oferece é o que você receberá de volta. Se estamos destruindo o outro, estamos, na verdade, nos ferindo muito mais. Cometemos erros em nossa carreira, com nossa família, com o companheiro e amigos, sabemos o que é a falhar, mas aprendemos a corrigir estas falhas, e isso enriquece a vida. Com tudo, estamos melhorando dia a dia, e realmente, nada é mais bonito do que viver a vida com clareza, intensidade e atitude – Intensitude!

Texto extraído de Intensitude, site que recomendamos a visita. Por Portal Raízes

Em Parelhas, pesquisa aponta virada de Dr.Tiago Almeida em cima de Alexandre Petronilo

Na segunda pesquisa divulgada em Parelhas para as eleições deste ano, o Instituto AgoraSei aponta uma virada de Dr. Tiago Almeida em cima de Alexandre Petronilo. No primeiro levantamento realizado pelo mesmo instituto ainda na pré-campanha, o cenário era de relativa folga para o candidato do PMDB, que é apoiado pelo atual prefeito Francisco Medeiros do PT. Com o acirramento da campanha, o quadro mudou totalmente e agora está a favor do oposicionista Dr Tiago, que é do Democratas.

A pesquisa foi realizada no dia 16 de setembro, ouviu 400 pessoas nas zonas rural e urbana da cidade, tem intervalo de confiança estimado de 95%, margem de erro máxima estimada de 4.8 pontos percentuais para mais ou para menos, sobre os resultados totais da amostra e está registrada no TRE sob o protocolo RN-02127/2016.

Pergunta Espontânea
Dr Tiago – 41,8%
Alexandre Petronilo – 39,0%
Nenhum – 5%
Não Sabe – 14,2%
Pergunta Estimulada
Alexandre Petronilo – 42,0%
Dr Tiago – 41,8%
Nenhum – 6,8%
Não Sabe – 9,4%
Rejeição
Alexandre Petronilo – 40,5%
Dr Tiago – 37,8%
Votaria em todos – 16,0%
Não Sabe – 9,0%
Por Blog do Robson Pires

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Reflexão deste grande mestre!


Greve dos bancários é considerada a maior da história da categoria

O crescimento do movimento, que entrou na sua terceira semana, é uma resposta ao desrespeito apresentado pala Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) com a categoria, ao não apresentar, nas duas últimas rodadas de negociação, melhorias na proposta já rejeitada.
“Depois de duas propostas rebaixadas, de 6,5% e 7% de reajuste e abono, os bancos agora querem vencer a categoria com arrogância e intimidação nas agências. A tentativa não vai dar certo, pois a categoria sabe a importância da greve para arrancar uma proposta dignas dos patrões. Pressão e arrogância não acabam greve, o que acaba, é negociação e proposta que contemple as demandas dos trabalhadores”, ressalta o presidente da Federação dos Bancários da Bahia e Sergipe, Emanoel Souza.

Enquanto não entram em acordo com a Fenaban, os bancários da mantém 193 agências fechadas em Sergipe; 505 na base do sindicato da Bahia, 60 em Barreiras, 21 em Camaçari, 61 no Extremo Sul, 34 em Feira de Santana, 31 em Ilhéus, 44 em Irecê, 39 em Itabuna, 28 em Jacobina, 29 em Jequié, 29 em Juazeiro e 70 em Vitória da Conquista.
A expectativa é de que o movimento se amplie ainda mais nos próximos dias, uma vez que os banqueiros se negam a apresentar uma proposta de reajuste que contemple aumento real de salários, garantia de emprego e melhores condições de trabalho.

Confira as principais reivindicações dos bancários
  • Reajuste salarial: reposição da inflação (9,62%) mais 5% de aumento real.
  • PLR: 3 salários mais R$8.317,90.
  • Piso: R$3.940,24 (equivalente ao salário mínimo do Dieese em valores de junho último).
  • Vale alimentação no valor de R$880,00 ao mês (valor do salário mínimo).
  • Vale refeição no valor de R$880,00 ao mês.
  • 13ª cesta e auxílio-creche/babá no valor de R$880,00 ao mês.
  • Melhores condições de trabalho com o fim das metas abusivas e do assédio moral que adoecem os bancários.
  • Emprego: fim das demissões, mais contratações, fim da rotatividade e combate às terceirizações diante dos riscos de aprovação do PLC 30/15 no Senado Federal, além da ratificação da Convenção 158 da OIT, que coíbe dispensas imotivadas.
  • Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS): para todos os bancários. 
  • Auxílio-educação: pagamento para graduação e pós.
  • Prevenção contra assaltos e sequestros: permanência de dois vigilantes por andar nas agências e pontos de serviços bancários, conforme legislação. Instalação de portas giratórias com detector de metais na entrada das áreas de autoatendimento e biombos nos caixas. Abertura e fechamento remoto das agências, fim da guarda das chaves por funcionários.
  • Igualdade de oportunidades: fim às discriminações nos salários e na ascensão profissional de mulheres, negros, gays, lésbicas, transexuais e pessoas com deficiência (PCDs).

Por Portal Vermelho

Seridoense Dom Lucena toma posse como 8º bispo da Diocese de Nazaré da Mata/PE

A Diocese de Nazaré abrange uma população de um milhão de habitantes, distribuídos em 42 Paróquias, atingindo 35 Municípios, compreendendo Litoral, Zona da Mata Norte e Agreste, dividida em 4 Setores: 1- Timbaúba (Aliança, Condado, Camutanga, Ferreiros, Goiana, Itambé, Itaquitinga, Macaparana, Timbauba, São Vicente Férrer e Vicência);  2-Carpina (Buenos Aires, Chã de Alegria, Carpina, Lagoa do Carro, Lagoa de Itaenga, Nazaré da Mata. Paudalho e Tracunhaém),  3- Limoeiro (Cumaru, Feira Nova, Gloria do Goitá, Limoeiro, Machados, Passira, Salgadinho);  4- Surubim (Bom Jardim, Casinhas, Frei Miguelinho, João Alfredo, Orobó, Santa Maria do Cambucá, Surubim, Vertentes e Vertente do Lério), receberá na tarde de hoje, 18 de setembro, seu oitavo bispo.
Dom Francisco de Assis Dantas de Lucena nasceu em 19 de outubro de 1963 em Jardim do Seridó, Diocese de Caicó, no estado do Rio Grande do Norte. Ele completou seus estudos de filosofia na Faculdade de Filosofia “João Paulo II” da Arquidiocese do Rio de Janeiro e os de Teologia na Pontifícia Universidade Católica, na mesma cidade. Frequentou o Curso de Humanidades Universidade Federal do Rio Grande do Norte e obteve o Mestrado em Direito Canônico no Instituto Superior de Direito Canónico, no Rio de Janeiro. Além disso, ele seguiu o curso para formadores de seminários no Pontifício Ateneu “Regina Apostolorum”, em Roma.
Em 28 de maio de 2008, ele foi nomeado Bispo de Guarabira e recebeu a ordenação episcopal no dia 17 de agosto. Em 13 de junho, deste, foi nomeado pela Santa Sé para ser o novo bispo da Diocese de Nazaré/PE. Dom Lucena é o atual secretário da Regional Nordeste 2 da Conferência Episcopal Brasileira, que inclui os Estados de Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco e Alagoas. A sua posse como Bispo da Diocese de Nazaré, Pernambuco, será no dia 18 de setembro, às 16h, em Nazaré da Mata.

Fonte: Blog do Roberto Flávio

Chefe de Polícia no EUA fará palestra em Caicó sobre segurança pública

O Conselho Comunitário de Cooperação para Defesa Social de Caicó promoverá palestra na quinta-feira (21), às 19h, com a presença do chefe de Polícia na Carolina do Norte/EUA, o brasileiro Marcos Bomfim. O evento acontecerá na sede da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, no bairro Penedo. 

Marcos Bomfim ficou conhecido na comunidade brasileira depois de surgir na mídia comunitária, inclusive no jornal Brazilian Times, como chefe da “Special King Police” de Charlotte (Carolina do Norte). Ele publica vídeos dando orientações sobre leis norte-americanas, como agir durante uma abordagem policial e outros pontos considerados importantes para que o brasileiro tenha conhecimento nos Estados Unidos.
Por Gláucia Lima

sábado, 17 de setembro de 2016

Opinião: Símbolos e arquétipos coletivos em "Velho Chico"

Novela da Rede Globo foi pródiga em utilização de símbolos muito conhecidos na cultura nacional

Belo Horizonte, 
Na verdade, o tema da novela reflete o que está ocorrendo na realidade / Reprodução

A novela da Rede Globo “Velho Chico”, de Benedito Rui Barbosa, exibida no segundo semestre de 2016 foi pródiga em utilização de símbolos muito conhecidos na cultura nacional. O tema da novela é a vida ribeirinha e os traços culturais dos sertanejos do médio e baixo São Francisco. Nesse palco imenso desenvolvem centenárias lutas entre potentados coronéis e os barranqueiros. A dificuldade de vida de pescadores e agricultores provocada pelas apropriações indevidas do trabalho e da natureza.

O personagem principal é Afrânio Sá Ribeiro, herdeiro de uma grande fortuna feita com o sacrifício dos demais habitantes da região. Já nos idos de 1990 conseguiu instalar-se nas proximidades da fazenda dos Sá Ribeiro outro fazendeiro com o nome de Capitão Rosa. Por causa de sua mentalidade social-humanitária e politicamente correta, Capitão Rosa entra em violento conflito com os Sá Ribeiro. Para acentuar as diferenças entre os dois personagens, o autor usou símbolos nos vestuários e cobertura de cabeça dos personagens.  Ele vestiu Afrânio de uma longa casaca verde, gravata azul, calça e lenço amarelos, cores sugeridas pela bandeira do Brasil. Antes de ser símbolo nacional, essas cores representavam a Casa Real de Bragança da qual fazia parte Dom Pedro I. Mas ele tem fita preta na cúpula do chapéu, que simboliza o poder, a tradição e a superioridade.

Carlos Eduardo, deputado federal e marido imposto à Tereza, usa roupa e bigodes pretos. Na filmografia americana, quando o personagem usa bigodes, quase sempre é vilão ou mau caráter. Carlos Eduardo se torna o vilão da história. Propositadamente, a figura de Carlos Eduardo tem semelhança com Hitler. Encarnação, a centenária matriarca dos Sá Ribeiro se veste de roupas pretas e tem a cabeça sempre coberta com um véu negro. É a personagem mais orgulhosa e perversa do folhetim. A figura de Encarnação é uma versão do arquétipo coletivo da bruxaria.

Do outro lado, o Capitão Rosa aparece com roupa de trabalho e um lenço vermelho atado sobre a cabeça. Seus herdeiros (Dos Anjos), em sucessivas gerações, usaram esse distintivo. A cor vermelha simboliza o amor, a ação, o movimento e o arrojo.  Outro símbolo muito forte na família Dos Anjos é a água. Os personagens aparecem fazendo amor no rio, debaixo do chuveiro e na chuva. A água simboliza a origem da vida e a purificação. Esses símbolos acabam sendo vetores ideológicos. Inconsciente coletivo e ideologia são irmãos gêmeos. Adotamos crenças, opiniões sem saber de onde vieram, sem pensar em suas causas e motivos, sem avaliar se são ou não coerentes e verdadeiras. Enganando o povo com símbolos pátrios e místicos, os Sá Ribeiro conseguiram dominar toda a população da cidade e impor todos os cargos públicos nela existentes. Na verdade, o tema da novela reflete o que está ocorrendo na realidade.


Enrolado em uma bandeira do Brasil, o deputado Caio Nárcio votou a favor do impeachment de Dilma Rousseff, na sessão da Câmara dos Deputados de 17 de abril deste ano. Disse que votava “sim” porque se espelhava em seu pai, modelo de honestidade. Ao terminar seu discurso, Caio foi muito aplaudido. Na semana seguinte, seu pai foi preso por crime de corrupção. O símbolo nacional tem servido para reforçar e “legitimar” esse tipo de atitude. 

Antônio de Paiva Moura é docente aposentado do curso de bacharelado em História do Centro Universitário de Belo Horizonte (Unibh) e mestre em história pela PUC-RS. Antônio de Paiva Moura é docente aposentado do curso de bacharelado em História do Centro Universitário de Belo Horizonte (Unibh) e mestre em história pela PUC-RS.
Fonte: Brasil de Fato

Às vezes, a vida não pede escolhas e sim renúncias


Sempre teremos escolhas a serem feitas bem à nossa frente, diariamente, o tempo todo. São muitas as oportunidades e as opções que se descortinam ao longo da vida, sendo elas que determinarão a qualidade de nossa jornada, de nossas amizades, dos amores que nos acompanharão mundo afora. No entanto, muitas vezes, o que nos tornará mais felizes e aptos a manter nossos passos tranquilos e serenos serão as renúncias que faremos, exatamente o que deixaremos para trás.
Nem sempre poderemos levar conosco tudo o que pretendemos, todos de quem gostamos, tendo que, em vários momentos de nosso caminhar, optar por desistir do que parecia vital, mas, na verdade, não o era. Renunciar é deixar de escolher, é escolher pelo não, é tirar do leque de alternativas aquilo que não pode, não deve. Não é fácil, nunca será, mas desistir de algo que emperra e de alguém que inclusive já desistiu de nós e de si mesmo tornará nossa vida mais leve.
Teremos que renunciar a noites de diversão, a baladas com amigos, a tardes ociosas à beira da praia. Teremos que renunciar ao celular mais novo, ao carro do ano, às roupas da estação, à viagem de férias. Renunciaremos a ofertas de emprego, a oportunidades de estudo, a mudar de casa, de cidade, de país. Renunciaremos a antigas ideias, a planos, a sonhos, a amores, a amizades, a aventuras furtivas. Seja por amor ao parceiro, aos filhos, para salvar um relacionamento, um lar, seja para salvar a nós mesmos.
Tão penoso quanto renunciar é o que vem depois, aquele futuro em que nos encontraremos questionando a nós mesmos se fizemos o certo, se poderia ter sido melhor de outra forma, em outro lugar, com outras pessoas. Inevitavelmente carregaremos algumas dúvidas quanto ao que estamos fazendo de nossas vidas, porque somos humanos falíveis e estaremos sempre rodeados de outras formas de se viver que não a nossa.
No entanto, caso estejamos junto a quem amamos e nos ama de verdade, respirando a serenidade de vivermos aquilo que somos, de acordo com o que acreditamos, teremos a certeza de que trilhamos o melhor que a vida nos ofereceu. As dúvidas virão, bem como alguns arrependimentos, pois não acertaremos o tempo todo. Mas podermos conviver serenamente com o resultado de nossas escolhas e renúncias sempre será melhor do que viver uma vida sozinha porque só pensamos em nós mesmos e em mais ninguém. Vivamos, enfim.
Texto de Marcel Camargo via ObviousPor Portal Raízes